Empresários brasileiros são os super-heróis que podem combater a crise

Perguntei aos profissionais que cuidam do nosso site e do marketing digital, sobre qual tema eu poderia escrever. Questionei qual assunto está sendo mais procurado. De pronto, ele me respondeu que era sobre a crise, e alternativas para vencê-la. Refleti alguns dias sobre a informação e resolvi iria deixar esse tema para o jornal da 20h, que adora “disseminar o terror” nos telespectadores.

A caminho da empresa, enquanto escutava uma rádio local, ouvi a música Ideologia, do Cazuza, e cantarolar junto: “meus heróis morreram de overdose…”. Fiquei pensado: heróis? Que heróis? Será que morreram mesmo? Quem são esses heróis? Bingo, eureca! Veio a inspiração! E é com muito respeito e amor que trago para esse texto o único personagem que poderá salvar o mundo da crise.

 

Empresário brasileiro: nossos super-heróis

Empresário ou empreendedor é uma profissão que existe mundo afora, mas, além de profissão, o mesmo tem outro adjetivo: “super-herói”.

Quando era criança, sempre me perguntava o que eu ia ser quando crescer. Das inspirações à minha volta, além de nossos pais e avós, existiam também os famosos heróis da ficção, que eu idolatrava e que adorava imitar. Como toda criança, nunca imaginei que os heróis de ficção não existiam e nunca me passou pela cabeça que o meu avô e meu pai também eram super-heróis de “carne e osso”.

Por decisão de Deus, também me transformei em um super-herói e convivo diariamente com mais de 400 super-heróis, os nossos clientes. Por destino, também me casei com uma heroína. Esses super-heróis que me refiro são os empresários brasileiros, que daqui em diante chamarei de super-empresários.

O super-empresário brasileiro é dotado dos mais ilimitados poderes, dentre eles destaco:

  1. Preparo físico de triatleta;
  2. Inspiração poética;
  3. Criatividade artística;
  4. Paciência divina;
  5. Percepção paranormal;
  6. Animação canina;
  7. Desejo supremo;
  8. Fé inabalável;
  9. Essência do Pequeno Príncipe (Antoine de Saint-Exupéry)

Poderia citar muitos outros poderes, mas, para não ser piegas, prefiro parar por aqui.

Nesse momento, imagino que o leitor esteja pensando que o personagem super-empresário brasileiro é apenas ficção, pois parece impossível alguém ser assim tão perfeito. Porém pode acreditar! Esses superpoderes e muitos outros estão dentro do coração de cada empresário brasileiro.

Além de trazer à tona esse personagem, o considero oficialmente criado. Convoco os mesmos para que comecem a pensar, a se conscientizar e a agir com o sentimento de que o poder de mudar o mundo está em nossas mãos! Vamos nos apoderar deste sentimento e criar uma nova economia!